Você está na categoria

Palavresca

    Palavresca

    A Crônica do “Não Responda”

    22 de janeiro de 2018

    Por Júlia Helena Rathier

    O segundo texto da Júlia aqui no Blog sobre Ressignificar, a leitura é uma delícia inquietante que nos faz pensar em novos propósitos e resoluções. Boa leitura para esse início de semana!

    O luto amoroso de Amélia e a beleza do ressignificar. Quando não há reciprocidade, é hora de ir!

    “Não foram suas elipses e nem os eufemismos que não me disseram o que eu precisava ouvir, mas sim o acordo tácito entre mim e o meu engano de não dizer o que queria. A gente cala as coisas com a mesma responsabilidade que as fala. Essa talvez, seja a lição mais dura- não tanto quanto necessária – da comunicação humana. Certa vez, Amélia, a menina não-tão-menina nem adulta, recomendou a si mesma depois de encarar o luto de um fim de amor, que encontrasse a medida certa no próximo amor. Saber se deveria falar de mais ou de menos, o quê falar e o que não falar.

    Mal sabia ela, que a gente diz coisas sem dizer, e que não diz pro outro por que quem tem que escutar somos nós. Entre essas coisas não ditas que se sente, estão verdades afogadas e agruras que amiúde nos ensinam importantes experiências de habilidade social. A emoção que está para o luto à mesma medida em que o amor está para a saudade, é prova. Amélia nunca se reconheceu como uma pessoa emocionalmente sábia, mas se reconhecia menos ainda como a boa observadora que era. Quanto tempo a gente precisa enxergar pra que comece a ver? Leu ela de Ana Suy, uma importante figura de identificação na área intelectual de sua vida. O interessante, é que nessa riqueza de fundos do mundo intelectual também havia um conhecimento pouco acessado por ela na vida, que merecia com louvor ser lembrado. Esse era o de que a gente fica tão acossado para encontrar o nosso lugar no desejo do outro, que esquecemos do nosso.

    A alienação de um desejo é também um importante tema do luto, uma vez que não existe somente a ameaça de perder o amor do outro mas também o próprio.

    Neste caminho de pensamentos cheio de percalços, Amélia só poderia se indagar ainda mais enquanto bebericava um café quente. Amava Leminski como nenhum outro poeta, observava a sua sensibilidade de movê-la a entender sobre as coisas mundanas. Em mais um gole que por obséquio o último daquele terceiro café, economizou no suspiro que ia dar por causa do desamor e não economizou no pedido de outro café. Satisfeita que já estava, pôs-se a pensar sobre aquilo que não se preenchia por mais lotado que estivesse- e dispensava o argumento chulo de justificar biologicamente a saciação de sua sede. Esse pedido incessante por outro, afinal, é falta de quê(m)? A quem ela estava recitando tanto o “Repara bem no que não digo” de Leminski? Amélia, talvez quem precisava ir já tenha ido. Pedir que a pessoa só ouça e não responda mais, não irá mudar o que você já ouviu dela e o quanto doeu.

    Talvez, você precise do que tanto costumamos negar a nós mesmos: autocompreensão e um tempo. Ninguém vive e nem morre de amor, por mais que o suponha. Vai lá, Amélia. Se ponha no próprio rumo. Se escuta. Você tem muito a dizer pra si mesma.”