Você está na categoria

Palavresca

    Palavresca

    Quando o Bicho-Papão é a Vaidade Intelectual | Júlia H. Rathier

    15 de fevereiro de 2019

    Para minha sorte a Júlia esta de volta. Que saudades ela nos deixa com seus textos instigantes, pensativos e questionadores.

    Júlia, obrigada. Confesso que até hoje tenho medo do bicho-papão…sim…tenho! Você me ajudou a entender que ele tem muitas facetas, basta observar, basta entender e vencê-lo né?

    “Quem foi que nos disse que o bicho-papão só ataca á noite? E quem pode provar, que uma gravata não lhe serve bem? Quem disse, que o bicho-papão não pode usar beca? E quem disse que ele não continua a assustar, depois disso também?

    Dentre tantas as versões de histórias sobre o bicho-papão, existe uma que notadamente não se encaixa só a um determinado público. Essa, muito coerente e já usada por J.K. Rowling, afirma que o bicho-papão é o tipo de criatura cuja horripilância é correspondente ao pior medo de cada pessoa, em particular.

    Assim, ele não viria a possuir uma forma universal, mas a forma daquilo que tem o poder de mais assustar alguém, no momento em que aparecer.

    Embora, eu ache coerente a hipótese de que ele poderia tranquilamente antes de tomar a forma de qualquer animal ou fenômeno, tomar a forma da monstruosidade humana, tenho percebido que pra mim ele é a vaidade intelectual. Que não está separada dessa monstruosidade, mas que leva um pedacinho horrendo dela, cujo eu chamaria de insuportável. Eu, declaradamente, tenho medo da vaidade intelectual humana.

    A vaidade intelectual é a exortação da própria ignorância, que a gente também ignora. É o tipo de mal que faz a gente fechar os olhos pro fato de saber menos de um universo inteiro sobre tudo e qualquer coisa.

    É o tipo de mal, que faz uma pessoa achar que “peleumonia” tem mais motivo pra não estar no dicionário, do que um enfermo com dor, tem motivo pra ser ouvido- ignorando também, que a língua é subjetividade e a comunicação carrega história individual que merece ser respeitada.

    É o tipo de mal que faz a gente achar que um engravatado- que, pode saber maravilhas mas ainda continua a saber menos de um universo inteiro sobre tudo e qualquer coisa- tem mais a falar, do que um não engravatado.   

    Essa baboseira toda, não pode ser menos do que um erro crasso, mas a gente comete. Com vernizes, ou sem.

    E como se fosse pouco, ainda piora quando a gente não admite a angústia que é, ver a cota de narcisismo que isso imprime por meio de referências, identificações.

    A gente, não só deixa de suportar a própria incompetência, como também passa a recorrer à fontes que por alguma credibilidade sem cautela, podem virar dogmas sem que vejamos.

    A universidade, por exemplo é um lugar que esse bicho-papão adora.

    Porque além de ser um lugar onde existem criaturas doutas que por falha não pior do que a nossa, ditam a norma, é um lugar onde- talvez no nosso país não tão por acaso assim- há pessoas que a ela adoram e estão prontas a seguir.

    E o bicho-papão da vaidade intelectual carece desse sinal de (in)segurança.

    Há, claro, pessoas que sabem muito bem, da relevância de impedir que as teorias que bem se aplicam, massifiquem a verdade. E isso não é só na universidade.

    A gente vê sim, lá, e por aí, muita gente que não deixa que a harmonia entre teoria e prática se torne o dogma que impede de criar.

    Mas acontece que,o engodo do saber vem atravessar discursos com um acompanhamento que o ser humano já provou que adora: a autoridade. E por isso é tão comum, a tal da vaidade intelectual.

    Vemos revistas, jornais, a cada vez mais exaltarem pessoas que parecem saber tudo sobre o que fazem- como se fosse possível- e deglutimos essas informações com a mesma naturalidade com que repetimo-las depois, às vezes sem o senso crítico de que é preciso para processá-las. Ingerimos então, o tempero de uma casca, porque depois, também mastigamos conteúdos para poder reproduzir, sem a coragem de discordar do que um engravatado fala.

    É assim que se torna normal as pessoas impelirem-se a achar todo esse fenômeno de classificação-dos-melhores-nomes-de-uma-ciência-qualquer necessário, sem ver que isso invalida a nossa capacidade de interferir no status quo, e de sermos quem somos, ao próprio retrato da criatividade que nos foi dada.   

    Quem foi que nos disse que o bicho-papão só ataca á noite? E quem pode provar, que uma gravata não lhe serve bem? Quem disse, que o bicho-papão não pode usar beca? E quem disse que ele não continua a assustar, depois disso também?

    O bicho-papão pode morar embaixo da cama da gente, mas a gente cresce e os medos também. E , ah, esse ataca quando a gente se vê diminuto perante à algo.

    É preciso saber que se pra uns existe o medo da vaidade intelectual, para o qual há um bicho-papão, é porque existe, pra outros o medo de não tornar-se autoridade. Para o qual também existe um bicho-papão.

    Não é curiosidade pra ninguém dizer, que em meio a esse cenário todo, existem também pessoas cujo o bicho-papão é a fome, ou a chuva. O desrespeito, a negligência. E esses, são dos que não param de aterrorizar tão facilmente quanto outros.   

    Se isso não é perigoso, eu queria saber, o que pode ser? Já faz tempo que eu quero parar de acreditar em bicho-papão, mas o ser humano não deixa.”

    http://obviousmag.org/sobre_tudo_sobretudo/2016/08/quando-o-bicho-papao-e-a-vaidade-intelectual-1.html.

  • Palavresca

    Gentileza

    Fotografia | Leila Lindiana Ser gentil é uma forma de agir. Gentileza são gestos de amor para com o próximo, independente de quem seja ele, pode ser aquela pessoa bem conhecida ou aquele desconhecido. Aliás, ser gentil…

    13 de janeiro de 2019
  • Palavresca

    Madre Pele, A Majestosa

    A Júlia Rathier traz um texto maravilhoso. Sinta a suavidade das palavras e deixe-se tocar! De todas as possibilidades de auto conhecimento a pele (e o seu toque) está entre as mais importantes formas. Somados aos…

    12 de julho de 2018
  • Palavresca

    Minha Casa, Sagrada Bagunça

    Hoje é o dia da Júlia nos presentear com sua contribuição maravilhosa no Blog. Um texto exclusivo, lindo, sensível, poético. A crônica nos faz pensar, a jovem tem apenas uma vela e seus sentimentos, quem não…

    17 de abril de 2018
  • Palavresca

    Mulher de Palavra

    Hoje, mais uma leitura deliciosa da Júlia Helena Rathier, colaboradora do Blog. Uma metáfora para te fazer pensar sobre Mulher de Palavra, Mulher de Escrita. Para quem esta conhecendo o trabalho da Júlia, ela…

    21 de fevereiro de 2018
  • Palavresca

    A Crônica do “Não Responda”

    Por Júlia Helena Rathier O segundo texto da Júlia aqui no Blog sobre Ressignificar, a leitura é uma delícia inquietante que nos faz pensar em novos propósitos e resoluções. Boa leitura para esse início…

    22 de janeiro de 2018