Porta Retrato

Aline Leonardo

7 de novembro de 2018

Ela perfuma com talento as transmissões esportivas da rádio Onda Sul. Aline Leonardo é comentarista esportiva, formada em Letras, revisora do Jornal de Beltrão, dotada de elegância e sensibilidade ao escrever seus textos.

É discreta, linda, tem olhos verdes e uma charmosa cabeleira natural. Nos encontramos num evento nesse ano e prontamente fui me apresentar, logo fui avisando que era sua fã.

Acredito que o gosto pelo esporte a levou à atividade de comentarista. Aonde tem alguma modalidade sendo praticada lá esta ela, na companhia de amigos, sempre atenta e disposta a aprender mais.

Aline faz parte do time que esporte é coisa de mulher, sim! Nos últimos anos nunca se viu tantas mulheres falando e trabalhando com futebol quanto agora. Nesse ano, na Copa do Mundo foi o exemplo claro, na Rússia vivenciamos a expectativa de assistir aos jogos, sentimos o frio na barriga nos momento decisivos e o clima da disputa mas, ELAS – as mulheres estavam lá: narrando, opinando, torcendo e dando muito destaque na cobertura dos jogos.

Aline, por aqui faz muito bonito.  Podemos observá-la e ouvi-la, normalmente comentando os jogos Marreco Futsal (foi assim que a conheci). Seu posicionamento sempre ponderado, cuidadosa nos detalhes do jogo, sensível ao criticar, atenta aos pormenores e conhecedora do que esta falando – ela mudou a mentalidade arcaica e preconceituosa sobre a participação feminina em ginásios e estádios, fato que devemos considerar importante, pois nossa localização geográfica ainda é de “cidade do interior”. No momento Aline é um nome expressivo no jornalismo esportivo beltronense. Normalmente trabalha ao lado da família Baggio: Luiz Carlos e Alexandre, eles narram, ela comenta com propriedade e pertinência. Aline mostra talento e habilidade para seguir carreira, nós mulheres temos orgulho ao vê-la com desenvoltura e gosto ao futsal. Nossa representante feminina dá indícios de que essa carreira será longa. Aline faz parte de um seleto grupo de mulheres, comentarista-pioneira em Francisco Beltrão leva com seriedade a tarefa e o convite que lhe foi concedido.

Bárbara Coelho, Isabelly Morais, Julia Guimarães, Lívia Laranjeira, Manuela Avena, Renata Silveira, Natalie Gedra,  Monique Danello são nomes que despontaram e marcaram a Copa do Mundo da Rússia, todas iniciaram suas carreiras no mundo do futebol de alguma forma ou maneira, comentando jogos locais, TV fechada, na faculdade, numa brincadeira. Todas hoje são nomes e rostos conhecidos no meio esportivo. Desejo à você Aline, num futuro breve, muito sucesso, reconhecimento pela conquista de seu espaço nesse meio, especialmente por mostrar seu preparo e sua paixão por futebol.

Pesquisei e separei algumas curiosidades sobre a Participação das Mulheres no Futebol.

Em 2018, a contratação de uma técnica para um time de futebol da segunda divisão da França, o primeiro caso nas principais ligas europeias; uma assistente de arbitragem (bandeirinha) a subir também para a League 2, enquanto que no Brasil já tivemos até árbitras apitando em torneios nacionais e temos assistentes padrões FIFA, passando pelos mesmos testes dos homens.

A Copa da Rússia, é a primeira em que um jogo foi transmitido no Brasil por uma narradora de futebol. Além disso, é o primeiro mundial comentado por mulheres na TV. A Rádio Globo do Rio de Janeiro criou o concurso “Garota da Voz”, que elegeria dentre as suas ouvintes uma mulher que pudesse narrar uma partida da Copa do Mundo. A escolhida, Renata Silveira, chegou até a participar do programa da Fátima Bernardes, na Rede Globo. Ela transmitiu Uruguai 1 x 3 Costa Rica pela web, partida realizada no dia 14 de junho, cujos gols estão disponíveis no site da rádio.

Um fato a recordar. Nos anos 1980, Claudete Troiano narrava partidas e era repórter da Rádio Mulher e foi a primeira a narrar uma partida em TV. Nos anos 1990, sob comando de Luciano do Valle, a Band criou um concurso para escolher uma narradora para os torneios de futebol feminino estimulados pela emissora, que ficou alguns anos no canal, mas sem espaço para jogos de homens.

Como comentaristas, destaque para a ex-zagueira da Seleção Juliana Cabral, comentava partidas da equipe nacional na Band desde que estivesse lesionada. Hoje é comentarista da Rádio Globo São Paulo.

A Copa do Mundo Fifa Brasil 2014 marca a estreia de Renata Fan. A apresentadora, que começou como auxiliar de Milton Neves na Record, formada em Jornalismo e é apaixonada por futebol, é a primeira mulher a comandar um programa de debate esportivo no país.

No Fox Sports 2, durante os jogos da Copa do Mundo Fifa, os comentários foram de Marília Ruiz, que chegou a fazer parte de mesas redondas em alguns programas de TV, e de Ana Paula Oliveira, ex-assistente de arbitragem que já fora comentarista de arbitragem da Record.

A mais famosa do momento é a repórter Fernanda Gentil, começou na SporTV em 2009, já cobriu Jogos Olímpicos, Copa América, Copa das Confederações, Olimpíadas de Inverno e a sua terceira Copa do Mundo, na Rússia. Comanda o Esporte Espetacular com Felipe Andreoli. A Rede Globo é líder audiência da TV aberta no Brasil. Rumores de que Fernanda poderia narrar jogos na Copa andaram circulando, como reflexo da audiência da Globo neste mundial, cuja maioria dos telespectadores é mulher (53%). O fato não aconteceu, porém seria algo surpreendente, diminuiríamos ainda mais o preconceito e seria uma “aposta” aos poucos para as mulheres ganharam cada vez mais voz no futebol.

Resta torcer para que o processo siga, já que é uma barreira antiga e que exprime vários preconceitos com as mulheres, mas que demonstra o porquê, inclusive, das jogadoras da Seleção feminina sempre terem de reclamar da falta de apoio à modalidade no país. Por mais Martas, Claudetes, Renatas, Marílias e Anas Paulas com condições de mostrar seu trabalho neste país!

Nesse quesito, aqui em Francisco Beltrão estamos bem representados por Aline Leonardo!

Fotografia | José Delmo Menezes Junior | @jdmenezes

Comentar via facebook

Comentário(s)

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM