Porta Retrato

A Voz do Pai

12 de agosto de 2018

André e Joaquim | Fotografia: Everton Antoniolli

Minha homenagem à todos os pais. Pai é laço de sangue, é autoridade e segurança; nossa devoção como filhos e filhas!

Aos pais que, conosco já não estão mais, um lembrete: Meu Pai, guardei você no coração para sempre! 

A VOZ DO PAI | Odilon Ramos

O pai, em casa, era uma autoridade.
Dizia o que podia e o que não podia.
Determinava o certo e o errado.
A voz do pai era uma voz sagrada.

Grave, pausada para dar conselho.
Firme e bem forte pra passar as ordens.
A voz do pai sabia contar causos…
Causos que ouvira seu pai contar.Era uma vez… e lá vinha uma história…
com bichos que falavam, gente que voava,
magos poderosos e casas assombradas.
E a gente, tão criança e inocente,
galopava na garupa da imaginação.

Quanta emoção a voz do pai nos transmitia.
À mesa, hora da janta, ninguém se servia
antes de ouvir o pai, rendendo graças.
E a família, reverente, olhos fechados,
ao fim arrematava num… amém.

E os versinhos que o pai dizia.
Ninguém sabia tantos quanto ele;
“Eu sabia tanto verso,
Eu sabia um sacho cheio,
As formigas me bateram,
Me deixaram pelo meio”.

E às vezes… às vezes o pai cantava.
E o pai cantando era a cantiga mais linda que eu ouvi….
Modinhas, hinos, ternos “oilarai”… e a filharada fazia coro.
E cada um com sua voz queria imitar a voz do pai.

… A voz do pai tinha hora pra tudo.
Pra dar uma risada de um causo bem contado.
Ou pra ralhar se a gente desleixava…
Barbaridade…
Quando aquela voz trovejava uma ameaça,
Fazia a gente estremecer de medo.
Talvez fosse melhor dizer: respeito.

A voz do pai só nunca soube se queixar de nada.
Gemer até podia, se a dor era muita.
Chorar, se permitia, pelo sentimento.
Mas um queixume, uma lamúria ou maldição,
Isso jamais se ouviu da voz do pai.

“A la pucha”…
Parece que foi ontem…
É tão viva a lembrança,
Que parece que ainda ouço tua voz,
Meu velho…

E às vezes, quando falo com o meu filho,
Dou rédea ao sentimento e o som que sai
Me faz escaramuçar o coração no peito…
Pois ouço, de mim mesmo, a voz do pai!

Fotografia | Everton Antoniolli | Data Formaturas | Rua Curitiba, 1395 | Centro | Francisco Beltrão – PR | 46 3524-9722 | 46 99912 4428 

Comentar via facebook

Comentário(s)

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM